uma casa e uns outros cantos                  Mário Rui Feliciani

                                                                                      (clique nas fotos para ampliá-las)

 

                                                                                                                                                                      

 

Fotografar é pôr a linha, fronteira entre o mundo das formas sem nome e sem memória e o mundo das

afetividades e das recordações.

 

 

                         

 

 

De um trabalho a outro, tateia-se movendo a linha de cá p’ra lá. Avança-se para um, ao fugir-se do outro mundo.

 

                                        

 

 

 

Fotografar certo, em um momento-trabalho, é equilibrar-se na linha posta e não despencar para nenhum dos lados.

Mas a busca, tempo afora, é apenas onde pôr a linha.